Escolas, cuidado: não mexam na convenção

Data: 12/04/2018

Autor: Fepesp


Em nova rodada de negociações com a bancada patronal do ensino superior privado em São Paulo, o item em discussão foi o plano de saúde das professoras e dos professores. O que antes era um item, que a categoria patronal queria ver eliminado das Convenções, agora tem validade estendida até 1º de maio. Foram discutidas propostas de custeio do plano pelas professoras e pelos professores, que, ainda que a discussão não esteja concluída, têm como certo um posicionamento essencial: não concordamos com a retirada de direitos e entendemos que qualquer modificação do plano deve ocorrer sem prejuízo das categorias.

As negociações prosseguem e a próxima sessão está marcada para a segunda-feira, dia 16 de abril.

Na educação básica, fazemos um alerta às professoras e aos professores: não assinem nada e nem aceitem mudanças no contrato de trabalho ou qualquer cobrança por bolsas de estudo de seus dependentes. Se forem surpreendidos com tais situações, avisem ao Sinpro-Sorocaba!

Como todos sabem, estamos em processo de dissídio coletivo. O setor patronal abandonou as negociações e rejeitou a proposta do Tribunal Regional do Trabalho em prorrogar as tratativas por um prazo maior, judicializando, assim, a nossa campanha salarial. O Sieesp, entidade patronal que representa as escolas, tem agora um prazo até 18 de abril para contestar nossa ação. Por isso, reiteramos o alerta às professoras e aos professores: caso haja qualquer ameaça a seus direitos, avisem ao Sinpro-Sorocaba e à direção de suas escolas. Não aceitem que mexam na Convenção!