Busca:


Artigo Conteúdo

Formar fomadores, prioridade internacional

Data: 12/04/2011

Autor: Augusto César Petta


“Há que educar em todos os lugares em que nos encontremos. E ,essa via de educação permanente, tem que ser o exemplo”. Com esta frase do Comandante Fidel castro, inicia-se a aula do dia 30 de março de 2011, em Havana, na Escola de Formação de Quadros Sindicais “Lazaro Peña ”. Os participantes do curso - que teve a duração de uma semana - são sindicalistas e dirigentes sindicais de centrais sindicais, inclusive a CTB, e de centros de estudos de formação e investigação, inclusive o CES. Estiveram presentes representantes sindicais de Cuba, Brasil, Uruguai, Argentina Chile, Venezuela, Peru, México e Honduras. Os brasileiros presentes foram Márcia Silva, professora do ensino superior no Rio de Janeiro, Reinaldo Reis, professor e assessor de formação sindical da FETIESC de Santa Catarina e Augusto Petta, professor e coordenador-técnico do CES.  Para lá nos dirigimos para dar continuidade ao nosso processo de capacitação e para trocarmos experiências do trabalho de formação política e sindical que desenvolvemos em nossos países.

Este curso é uma iniciativa do Encontro Sindical Nossa América-ESNA, um espaço internacional de participação dos trabalhadores e trabalhadoras, representados por Centrais Sindicais de vários países da América. A CTB é representada, neste fórum, por João Batista Lemos, Secretário-Adjunto de Relações Internacionais.

Além de estudarmos as bases metodológicas para a capacitação sindical fundamentada na pedagogia participativa e do instrutor sindical como formador da consciência de classe, o curso teve como temas o próprio ESNA e os princípios da formação e principais manifestações, na atualidade, do capitalismo monopolista.

Recepcionados pelo Secretário de Relações Internacionais da Central dos Trabalhadores de Cuba- CTC e Coordenador do Programa de Formação, Investigação e Assistência-Técnica do ESNA Raymundo Navarro,tivemos a oportunidade de visitar a sede da CTC e lá pudemos conhecer com maior profundidade a conjuntura atual de Cuba, com todas as dificuldades econômicas, originadas sobretudo pelo brutal bloqueio econômico imposto pelos sucessivos governos estadunidenses, desde a Revolução Cubana, ocorrida há 52 anos, e que continua no atual governo de Obama. O que chama muito a atenção é a determinação dos dirigentes e do povo cubano, mesmo tendo que enfrentar grandes dificuldades, para prosseguir na construção do socialismo. Muitas pessoas ignoram, aqui no Brasil, que há eleições em Cuba.Trata-se de um sistema que parte dos representantes dos bairros e de setores profissionais, atinge as cidades e as províncias para que a Assembléia Nacional seja constituída. E, nesta Assembléia, se elege o Presidente de Cuba. O período é de 5 anos e se o Presidente do país quiser ser reeleito ,  terá  antes, que ser reeleito   para compor a Assembléia Nacional.

A ênfase principal do curso afirmada pela equipe de docentes da Escola “Lazaro Pena” teve como objetivo principal dotar os participantes de instrumentos metodológicos que possibilitem a participação no programa de formação do ESNA. Este programa terá continuidade com outros 4 cursos, a serem realizados nas várias regiões da América, ainda no primeiro semestre de 2011. O Brasil será sede do curso de formação de formadores, no mês de maio, e pretende reunir sindicalistas e instrutores sindicais do Uruguai, Argentina, Chile, Paraguai e do próprio Brasil. Na aprendizagem de objetivos métodos, técnicas, meios, procedimentos, avaliação, os participantes planejaram aulas de vários tipos, tais como seminários, oficinas e aulas participativas.

Podemos afirmar, sem nenhuma dúvida, que esta iniciativa do programa de formação do ESNA foi bem sucedida, contribuindo para que os participantes tenham melhores condições para prosseguir este importantíssimo trabalho de formação de quadros sindicais, em seus respectivos países. É realizando este trabalho profícuo de formação que podemos contribuir para que os trabalhadores, uma classe em si possam efetivamente constituir-se numa classe para si, ganhando as condições essenciais para que o capitalismo seja substituído por um sistema nitidamente superior, o socialismo.