Busca:


Notícias da Educação

Ensino superior: seu reajuste e sua assistência médica


Data: 22/03/2019

Fonte: Fepesp


O reajuste vale a partir de 1º de março de 2019. A porcentagem do seu reajuste, no entanto, vai depender da opção adotada na instituição com relação ao plano de assistência médica. 
 
Como se sabe, na Convenção Coletiva 2018-2019 (veja aqui) ficou garantido que as professoras e os professores manteriam o plano de assistência médica conquistado e consagrado em muitos anos de negociação. Você, com seu sindicato, foi firme e as instituições não conseguiram tirar o plano de saúde da Convenção Coletiva.
 
Mas ajustes foram feitos: as instituições passaram a ter a opção de manterem os planos atuais ou adotarem planos com coparticipação. E, neste caso, a porcentagem de reajuste é maior para os que tiveram a introdução de coparticipação nos seus planos.
 
Reajuste de 4,76%
 
As mantenedoras que optaram pelo Plano A – com coparticipação na assistência médico-hospitalar, deverão reajustar os salários dos professores e auxiliares de administração escolar em 4,76% sobre os salários devidos em 1º março de 2018.
 
Reajuste de 3,90% 
 
As mantenedoras que optaram pelo Plano B – sem coparticipação na assistência médico-hospitalar, deverão reajustar os salários das professoras e dos professores em 3,90% sobre os salários devidos em 1º março de 2018.
 
 
Qual plano está sua instituição?
 
O levantamento das instituições que optaram por introduzir coparticipação na assistência médica  – ou que mantiveram os planos como estão – deverá ser apresentado pelo sindicato patronal, o Semesp. O levantamento está sendo feito considerando instituição por instituição, para permitir a nossa fiscalização. Mesmo assim, o reajuste está assegurado sobre o valor do seu salário em 28 de fevereiro. O reajuste, como foi dito, vale a partir de 1º de março.
 
E mais:
 
Em outro comunicado conjunto, o de numero 1, assinado pela Fepesp e pelo Semesp, também neste 15 de março (veja aqui), ficou estabelecido que as mensalidades do sindicato e a contribuição assistencial, decididas em assembleia por professoras e professores, continuarão sendo recolhidas por meio do desconto em folha de pagamento, como sempre.